ARTE RELIGIOSA EM MARFIM

Hipóteses sobre oficinas de produção em marfim no norte de Minas Gerais

  • Yacy Ara Froner
  • Alessandra Rosado
  • Anamaria Camargos
Palavras-chave: Marfins, Circulação, Estética, Materialidade, Autonomia produtiva

Resumo

RESUMO
Este estudo apresenta resultados parciais do projeto O acervo em marfim afro-luso-oriental no Brasil: pesquisa introdutória nos acervos de Minas Gerais, financiado pela FAPEMIG. As perguntas que guiam a investigação repousam em questionamentos que partem do recorte cronológico e geográfico das obras levantadas: qual a procedência dos objetos? Qual a configuração estética manifesta? É possível identificar o uso do marfim como matéria-prima em oficinas locais? A presença de imaginária e objetos em marfim no território foi recorrente entre os séculos XVIII e XIX, como produto representativo da expansão comercial que abarcou todo o Império Português. A dinâmica de doutrinação dos povos colonizados apoia-se nos processos de intercâmbio de materiais e técnicas, além da ressignificação simbólica de elementos provenientes de diferentes culturas. Após levantamento e estudo de crucifixos coletados do norte ao sul do Estado, esta pesquisa admite como hipótese a confecção local dessa tipologia de objetos.

Biografia do Autor

Yacy Ara Froner

Doutora em História Econômica\USP,

Professora Titular da Escola de Belas Artes\UFMG,

Coordenadora do Grupo de Pesquisa ArCHE (Arte, Conservação e História). 

Alessandra Rosado

Doutora em Arte e Tecnologia da Imagem\UFMG,

Professora Assistente da Escola de Belas Artes\UFMG.

Anamaria Camargos

Conservadora Restauradora de Bens Culturais\UFMG,

Especialista em História da Arte Sacra\FDLM,

Mestranda da Escola de Arquitetura\UFMG. 

Publicado
2021-01-11
Seção
MATERIAIS E TÉCNICAS