OS CATÁLOGOS ILUSTRADOS

devoção, iconografia e comercialização de obras sacras na Belle Époque brasileira

  • Cristiana Antunes Cavaterra
Palavras-chave: Catálogos Ilustrados, Belle Époque, Arte Sacra, Escultura, Entalhe

Resumo

Na segunda metade do século XIX, por toda a Europa surgem pequenas fábricas de objetos sacros, que serão implantados nas Américas nos decênios seguintes através dos imigrantes europeus. Estas fábricas, comandadas por um mestre escultor/entalhador auxiliado por colaboradores, além de oferecer obras únicas entalhadas em madeira, douradas e policromadas, comercializam reproduções de esculturas fundidas em carton-piérre e gesso decoradas com técnicas e materiais mais acessíveis. Caracterizadas pela presença de uma Sala de Exposições, Álbuns Fotográficos demonstrativos e pela distribuição de Catálogos Ilustrados de seus produtos, e refletem uma “universalização” da arte sacra, já iniciada com a romanização da Igreja Católica em expansão. No Brasil, o pioneirismo na fabricação de arte sacra se dá por meio de imigrantes italianos em São Paulo e alemães e italianos no Rio Grande do Sul, principais centros imigracionais na virada dos séculos XIX/XX, introduzindo as novas devoções européias no território brasileiro. 

Biografia do Autor

Cristiana Antunes Cavaterra

Mestre em Artes - IA/UNESP / Especialista em História da Arte Sacra - FAM;

Conservadora e Restauradora de Obras de Arte- FAOP;

Cavaterra Studio d’Arte e Restauro Ltda.

Publicado
2021-01-11
Seção
AUTORIAS E ATRIBUIÇÕES