“ET ORENT PRO DEFUNCTIS”

Imagens da morte nos conventos franciscanos do Nordeste do Brasil.

  • Maria Angélica da Silva
  • Ana Cláudia Magalhães
Palavras-chave: Morte, Religião, Franciscanos, Conventos, Iconografia

Resumo

A partir de estudo sobre conventos franciscanos distribuídos entre Paraíba, Pernambuco, Alagoas, Sergipe, Bahia, este artigo abordará marcas referentes à morte, associadas à arquitetura conventual e dispostas ao longo de paredes e tetos. A morte se apresentará de diversas formas. Pela palavra, atos litúrgicos, orações, mas também através de extenso programa iconográfico exposto na imaginária, pinturas e talhas. Tais recursos se espalham por expressiva parte do
edifício, somando-se à longa ritualística praticada, da qual fazia parte a rememoração da morte e exploração de expressões artísticas de caráter fúnebre. Por meio desse conjunto de recursos iconográficos recorrentemente observados nos conventos, extraídos das visitas e fontes primárias consultadas, buscar-se-á refletir acerca de supostas qualificações da temática mortuária quando apropriada pela Ordem Franciscana, tida como dotada de poética própria, cuja familiaridade com a finitude da vida permite chama-la “Irmã Morte”, integrando-a, de modo muito próprio, como parte do cotidiano de suas casas e vidas.

Biografia do Autor

Maria Angélica da Silva

Professora titular da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal de Alagoas (UFAL)

Bolsista de produtividade do CNPq;

Coordenadora do Grupo de Pesquisa Estudos da Paisagem.

Ana Cláudia Magalhães

Arquiteta: historiadora e restauradora de bens culturais móveis.

Servidora Federal do Iphan, lotada na Coordenação Geral de Conservação do Patrimônio Material;

Pesquisadora do Grupo de Pesquisa Estudos da Paisagem. ana.magalhães@iphan.gov.br

Publicado
2021-01-09
Seção
ASPECTOS SOCIAIS