PROCISSÕES DE PENITÊNCIA NAS ILHAS ATLÂNTICAS

Memórias e práticas devocionais de um passado recente nos arquipélagos da Madeira e Açores

  • Duarte Nuno Chaves
Palavras-chave: Madeira, Açores, ranciscanos, Idade Moderna, Procissão das Cinzas

Resumo

O presente artigo decorre de uma pesquisa histórica e antropológica, que temos vindo a realizar, desde 2010, nos arquipélagos da Madeira e Açores, territórios insulares de Portugal, desde a primeira metade do século XV, tendo como principal objetivo interpretar a memória cultural, resultante da presença dos seculares franciscanos nestas ilhas, no período que compreende a Idade Moderna até à contemporaneidade. Estes dois arquipélagos atlânticos, tiveram um importante papel no processo da descoberta/ocupação e posterior expansão portuguesa dos séculos XV a XVII, particularmente devido à sua importância enquanto plataforma económica, técnica e cultural, nesse período, sendo paralelamente um ponto de partida de várias tradições religiosas com origem na metrópole em direção ao Novo Mundo. O texto traça um itinerário que aponta analogias entre a procissão das Cinzas, com origem no antigo convento franciscano de São Bernardino, Câmara de Lobos, no arquipélago da Madeira e sua homóloga na localidade da Ribeira Grande, na ilha de S. Miguel, no arquipélago dos Açores.

Biografia do Autor

Duarte Nuno Chaves

Doutor em História da Arte pela Universidade de Évora. Investigador Integrado do CHAM – Centro de Humanidades História da Universidade dos Açores, Portugal.

Publicado
2021-01-09
Seção
ASPECTOS SOCIAIS