ENTRE SANTOS E ORIXÁS:

A IMAGINÁRIA CATÓLICA NA CONFLUÊNCIA ENTRE O CATOLICISMO E AS RELIGIÕES AFRO-BRASILEIRAS1

  • Maria José Spiteri Tavolaro Passos
  • Mozart Alberto Bonazzi da Costa
Palavras-chave: Altar cristão, Congá, Retábulo, Catolicismo, Umbanda., Imagem religiosa

Resumo

A partir do século XIV, as imagens devocionais, tridimensionais, ganhariam espaço nos altares presentes nos templos católicos. A partir da XXV Sessão do Concílio de Trento, dirigiu-se uma maior atenção aos objetos escultóricos e pictóricos nas igrejas como recursos para a reafirmação e o fortalecimento da fé e do espírito devocional. As diretrizes tridentinas chegaram oficialmente ao Brasil sob a forma de um conjunto de normas publicado nas Constituições Primeiras do Arcebispado da Bahia, que orientava diversos aspectos relacionados ao universo católico no Brasil, entre eles a configuração dos templos e o modo de expor nos retábulos as imagens devocionais. Posteriormente cultos afroindígenas brasileiros como a umbanda, também adotaram em seus espaços sagrados o uso de altares (Congás) sobre os quais se expõem, entre outros objetos, imagens dos santos católicos, sincretizados com divindades e outros seres ligados à outras tradições culturais, não necessariamente cristãs. O presente artigo apresenta um estudo comparativo, entre os altares católicos e os Congás umbandistas, buscando detectar possíveis migrações de modelos, que remetam à influências representativas de diferentes culturas ocorrentes no Brasil, sobretudo a católica e romana, e possíveis reminiscências na religiosidade afro-indígena.

Biografia do Autor

Maria José Spiteri Tavolaro Passos

Universidade Cruzeiro do Sul (docente)

Mozart Alberto Bonazzi da Costa

PUC/SP / UNICID (docente)

Publicado
2020-08-03
Edição
Seção
ICONOGRAFIA