ELOQUÊNCIA, AMBIVALÊNCIA, AUDIÊNCIA:

ARQUEOLOGIA DA PRIMEIRA DECORAÇÃO ROROCÓ RELIGIOSA NAS AMÉRICAS

  • João Carlos Nara Jr.
  • João Carlos Nara Jr.
Palavras-chave: Experiência, Religião, Semiótica, Rococó, Santa Rita

Resumo

O inventário dos aspectos funcionais do estilo rococó empregado na decoração da Matriz da Freguesia de Santa Rita, no Rio de Janeiro, evidencia a ambiguidade da simbologia decorativa, a despeito de sua eventual decodificação. A decoração religiosa é passível de ressignificação e traz no seu bojo a marca da historicidade. Contudo, ambivalência não quer dizer ilusão, mas amplidão, pois o símbolo — ao saltar o abismo entre a representação artística e o conteúdo transcendente do numinoso — traz consigo a marca da própria insuficiência, embora não impeça o numinoso de se fazer presente. O melhor modo de interpretar imagens consiste em abdicar de lê-las como se fossem ideogramas, pois a questão imagética versa menos sobre as mensagens, do que sobre os mensageiros. De que forma o mensageiro se vale da fragilidade do símbolo para persuadir sua audiência? E que audiência é essa, capaz de fazer da experiência estética uma experiência religiosa?

Biografia do Autor

João Carlos Nara Jr.

Arquiteto e Urbanista, Mestre em Arqueologia

Doutorando em História Comparada (IH-UFRJ)

Diretor da Divisão de Preservação do Museu Nacional

João Carlos Nara Jr.

Arquiteto e Urbanista, Mestre em Arqueologia

Doutorando em História Comparada (IH-UFRJ)

Diretor da Divisão de Preservação do Museu Nacional

Publicado
2020-08-02
Edição
Seção
ICONOGRAFIA