O POVERELLO NA TERRA DO OURO:

AS REPRESENTAÇÕES DE SÃO FRANCISCO DE ASSIS

  • Natalia Casagrande Salvador
Palavras-chave: Arte Colonial, . Iconografia franciscana, Imaginária franciscana em Minas Gerais

Resumo

O culto a São Francisco de Assis sempre foi bastante popular. Surgiu na Itália ainda durante a vida do santo, logo se alastrou pela Europa católica. De Portugal, foi trazido ao Brasil no início da colonização e se consolidou na região das Minas com a criação das Ordens Terceiras em meados do século XVIII. Em Mariana, primeira capital e sede do arcebispado, os terceiros franciscanos construíram a sua capela a partir do ano de 1763 aonde expõem diversos símbolos, alegorias e representações do Poverello de Assis, sendo mais grandioso, o conjunto escultórico que fica no altar da capela-mor. A partir das biografias escritas por Tomás de Celano e São Boaventura, e revistas por historiadores modernos, como Jacques Le Goff, pretendemos discutir as escolhas iconográficas da ordem para representação em seu templo, considerando a liberdade estilística permitida às associações de leigos, em oposição às ordens regulares. Imediatamente observamos uma nítida tendência para a valorização do teor penitente deste santo, o que acompanha a estética de grande parte das representações iconográficas pós-tridentinas. Pretendemos explorar num âmbito mais aprofundado o significado dessa iconografia em meio a sociedade aurífera do século XVIII, na qual ela se insere. O debate acerca dessa temática propiciará uma ampliação do entendimento da mentalidade religiosa, diante das condições encontradas na sociedade mineradora, com especial ênfase na devoção ao santo que pregava o desapego aos bens mundanos.

Biografia do Autor

Natalia Casagrande Salvador

Doutoranda em História Social da Cultura pela UFMG

Publicado
2020-08-02
Edição
Seção
ICONOGRAFIA