Gêmeos Negros, Gêmeos Brancos

As tradições artísticas negras e a transformação da escultura doméstica de saõ Cosme e Damião no Brasil

  • Tadeu Mourão UERJ
Palavras-chave: Escultura devocional, São Cosme, São Damião, Doum, Arte afro-brasileira, Cultura popular

Resumo

O presente artigo investiga a transformação da escultura devocional doméstica brasileira de São Cosme e São Damião, assim como busca compreender os fatores culturais que possibilitaram tal reestruturação. A partir da análise de representações do século XVIII, XIX e XX, evidencia-se que se processou ao longo dos séculos uma severa transformação iconográfica dos santos gêmeos, modificação essa que andou atrelada com novas atribuições cosmológicas que foram agregadas aos anárgiros. Afirmo que a alteração sofrida pela iconografia dos santos gêmeos se dá pelo encontro entre o conteúdo artístico e cosmológico ocidental, com o conteúdo artístico e cosmológico de distintos grupos étnicos negros sequestrados para o Brasil. Graças ao amálgama entre Cosme e Damião e as divindades gêmeas ligadas à infância popularizada entre os grupos étnicos negros, os santos cristãos perdem os símbolos da medicina, ganham um terceiro irmão e se tornam os santos meninos, patronos da infância.

Biografia do Autor

Tadeu Mourão, UERJ

Doutor em Arte e Cultura pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)
Professor do Instituto Federal de São Paulo
Membro do Núcleo de estudos afro-brasileiros e indígenas (NEABI-IFSP)

Publicado
2020-06-17
Edição
Seção
CONFERÊNCIAS