Sobre mapas e segredos abertos

  • André Mesquita Universidade de São Paulo

Resumo

Ao contracartografias, realizadas nos últimos dez anos de forma colaborativa através do conhecimento pesquisado, produzido e compartilhado em oficinas com comunidades por grupos como AREA Chicago (Estados Unidos), Counter-Cartographies Collective (Estados Unidos, Espanha e outros países), e Iconoclasistas (Buenos Aires), que são objeto deste artigo, somam os resultados dos encontros e das decisões de muitos participantes, seguindo o princípio de que mapas produzem, e mesmo precedem, o território. São mapas são abertos e nunca estão totalmente “finalizados”. São distribuídos livremente de mão em mão ou na internet, e passam por reinterpretações e atualizações de outros indivíduos e movimentos que buscam resistir aos modos convencionais de ver a realidade, “indo sempre contra aquilo que está estabelecido, como uma expressão do dissenso e da crítica.”

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

André Mesquita, Universidade de São Paulo

Pesquisador das relações entre arte, política e ativismo. Autor do livro Insurgências Poéticas: Arte Ativista e Ação Coletiva (Annablume/Fapesp, 2011). Atualmente é doutorando pelo departamento de História Social da Universidade de São Paulo com uma pesquisa sobre “mapas e diagramas dissidentes”, investigando obras de artistas e coletivos que produzem diferentes cartografias sobre o capitalismo contemporâneo. É integrante da Rede Conceitualismos do Sul. Vive e trabalha em São Paulo.

Publicado
2012-11-30
Como Citar
Mesquita, A. (2012). Sobre mapas e segredos abertos. PÓS: Revista Do Programa De Pós-Graduação Em Artes Da EBA/UFMG, 2(4), 116-137. Recuperado de https://www.eba.ufmg.br/revistapos/index.php/pos/article/view/55
Seção
Artigos - Seção temática