O MUSEU COMO ENSAIO CONTEMPORÂNEO: REIFICAÇÃO, REANIMAÇÃO, METAMORFOSE E SOBREVIVÊNCIA

Tatiana Martins

Resumo


Nosso tema abordou dois aspectos do Museu Imaginário de André Malraux. O álbum fotográfico como metodologia para História da Arte e a vida póstuma do objeto de arte no Museu. O primeiro aspecto fez eclodir a reflexão sobre a reprodutibilidade da arte associando Malraux a Walter Benjamin. O segundo aspecto apontou para as conseqüências da vida póstuma do objeto de arte no Museu e sua correspondência com o conceito de sobrevivência (Nachleben) de Aby Warburg. Como objetivo, o artigo se voltou para levantamento das fontes relativas à discussão e analisou os ensaios e teorias que a subsidiam revelando estratégia crítica. O resultado estabeleceu critérios, pautados na análise e interpretação dos discursos, que orientaram uma reflexão sobre a arte contemporânea. 


Palavras-chave


André Malraux; Museus; objetos de arte; sobrevivência

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Tatiana Martins

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Escola de Belas Artes - UFMG UFMG - Universidade Federal de Minas Gerais
PÓS:Revista do Programa de Pós-graduação em Artes da EBA/UFMG
ISSN: 1982-9507 | ISSN ELETRÔNICO: 2238-2046
Escola de Belas Artes
Av. Antonio Carlos, 6627. Pampulha
CEP 31270-901
Belo Horizonte, MG
 


A Revista PÓS está disponível sob a Licença
 
Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.