A COLEÇÃO DE ABELARDO RODRIGUES: ENTRE ACERVOS, DISPUTAS E REPRESENTAÇÕES

Emerson Dionisio Gomes de Oliveira

Resumo


Em 1972, com a morte do artista plástico e colecionador Abelardo Rodrigues, abriu-se uma disputa entre os governos de Pernambuco e Bahia pela posse de peças de arte sacra pertencentes à coleção de Rodrigues. O litígio só fora resolvido com a decisão do Supremo Tribunal Federal brasileiro, em agosto de 1975, em favor do governo da Bahia. Como forma de reparar esse dano moral e patrimonial, o Estado de Pernambuco adquiriu o restante da coleção de Rodrigues em 1982 e destinou parte dela ao acervo do Museu de Arte Contemporânea em Olinda. O presente trabalho busca mapear o desdobramento desta disputa e da divisão da coleção original entre dois museus brasileiros

Palavras-chave


Arte sacra brasileira. Coleção privada. Instituições museológicas

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Emerson Dionisio Gomes de Oliveira

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Escola de Belas Artes - UFMG UFMG - Universidade Federal de Minas Gerais
PÓS:Revista do Programa de Pós-graduação em Artes da EBA/UFMG
ISSN: 1982-9507 | ISSN ELETRÔNICO: 2238-2046
Escola de Belas Artes
Av. Antonio Carlos, 6627. Pampulha
CEP 31270-901
Belo Horizonte, MG
 


A Revista PÓS está disponível sob a Licença
 
Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.