A AUTOCRÍTICA DO INTELECTUAL MILITANTE NO CINEMA POLÍTICO: TERRA EM TRANSE (GLAUBER ROCHA, 1967) E LUTAS NA ITÁLIA (GRUPO DZIGA VERTOV, 1970)

Carolinne Mendes da Silva

Resumo


No presente artigo, pensaremos o cinema político desenvolvido por Glauber e Godard entre finais dos anos 1960 e início da década de 1970, nos detendo em dois de seus filmes que permitem comparações sobre o trabalho dos cineastas e a tentativa de diálogo entre eles. Nossa reflexão se concentrará especificamente no desenvolvimento do procedimento da autocrítica nesses filmes: Terra em Transe (Glauber Rocha, 1967) e Lutas na Itália (Grupo Dziga Vertov, 1970).  Buscamos investigar como cada um dos realizadores empregou a autocrítica na focalização de um protagonista intelectual.

 

In this article, we think about the political cinema developed by Glauber and Godard between the late 1960s and early 1970s, in two of his films that allow comparisons of the work of the filmmakers and the attempted dialogue between them. Our reflection will focus specifically on the development of self-criticism in these films: Terra em Transe (Glauber Rocha, 1967) e Lutas na Itália (Dziga Vertov Group, 1970). We investigate how each of the filmmakers employed the self-criticism in the focus of an intellectual protagonist.


Palavras-chave


cinema; Glauber Rocha; Jean-Luc Godard.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Carolinne Mendes da Silva

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Escola de Belas Artes - UFMG UFMG - Universidade Federal de Minas Gerais
PÓS:Revista do Programa de Pós-graduação em Artes da EBA/UFMG
ISSN: 1982-9507 | ISSN ELETRÔNICO: 2238-2046
Escola de Belas Artes
Av. Antonio Carlos, 6627. Pampulha
CEP 31270-901
Belo Horizonte, MG
 


A Revista PÓS está disponível sob a Licença
 
Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.