Rapper Roger Deff participa do podcast de música do Centro Cultural UFMG em mês da consciência negra

FOTO @NereuJr

No oitavo episódio do Podcast Recitais tivemos um bate-papo com o rapper belo-horizontino Roger Deff, um dos artistas mais atuantes no movimento hip hop e uma das principais referências em seu estilo musical. O início da sua trajetória no universo das rimas e batidas foi nos anos 90, através da banda de rap mais longeva de Minas Gerais, a Julgamento, na qual gravou três discos. Desde 2019 o artista segue carreira solo, já com dois álbuns lançados, com inspiração na periferia, no centro urbano, na vida cotidiana da cidade e no hip hop.

Roger nos conta que o seu primeiro contato com o rap e o movimento hip hop foi quando ainda era garoto, na porta da escola, onde presenciou alguns homens ouvindo um clássico rádio Boombox toca fitas, semelhante ao do filme “Faça a coisa certa”, do Spike Lee. A música prendeu a sua atenção de imediato e o ritmo ficou em sua cabeça, mesmo sem saber do que se tratava. Foi então que ele conheceu algumas pessoas do seu bairro, com conhecimento sobre o assunto, que lhe apresentou Racionais, Thaíde, GOG, Gabriel, o Pensador e toda essa turma do rap brasileiro dos anos 90. Ele passou a frequentar um baile que acontecia aos sábados no centro comunitário do bairro e se apaixonou por essa cultura, aproximando das pessoas que também se interessavam por esse universo.

Naquela época não era comum ter MC solo em Belo Horizonte, portanto ele se uniu a outras pessoas e formou o grupo Julgamento, que foi o início de tudo. O nome foi inspirado na música Júri racional, dos Racionais, e nas MCs que formavam a dupla Justiça Rap, que propagava uma mensagem de embate e combate ao racismo. O Julgamento também tinha esse viés da contestação e foi a sua escola e o lugar de muito aprendizado, onde aprendeu a fazer rap, apresentou o primeiro show, gravou o primeiro disco e teve a oportunidade de dividir o palco com artistas já consagrados e que admirava, como Negra Li, BNegão e o saudoso Marku Ribas.

O rap é uma ferramenta de expressão na luta contra a invisibilidade da comunidade negra e retrata a realidade e a vivência dessa população. Roger Deff contextualiza que esse movimento do rap político e da contestação começou com o rapper Chuck D, vocalista do grupo de hip hop norte-americano Public Enemy, que não via espaço de fala fora das comunidades. Quando um jovem entende que a periferia é território e local de produção cultural, um espaço de potência e transformação, mesmo com todos os problemas, você dá a ele ferramentas para que não se sinta excluído, diz Deff.

Em 2019 o MC lançou o seu primeiro álbum solo, “Etnografia Suburbana”, que aborda a contribuição da diáspora negra no Brasil e no mundo, retratando as mazelas vivenciadas pelos afrodescendentes e enfatizando a potência da cultura de matriz africana. O seu álbum lançado recentemente, “Pra Romper Fronteiras”, faz uma homenagem ao hip hop e as bases dessa cultura, temática de estudo do artista, que também é jornalista, pesquisador e mestrando em artes na UEMG, com foco na pesquisa do hip hop em Belo Horizonte.

Ouça o podcast na íntegra e conheça um pouco mais sobre a trajetória do MC Roger Deff: https://spoti.fi/3BRZTfQ

Conheça o trabalho de Roger Deff em: https://www.instagram.com/rogerdeffmc/.

O Podcast Recitais é um projeto que pretende disponibilizar mensalmente no Spotify conteúdos em áudio relacionados à música. A proposta surgiu para ampliar a programação online do espaço, oferecer ao público da internet uma discussão sobre o universo musical, além de dar visibilidade aos artistas, que estão tendo que encontrar formas de se reinventar neste momento de distanciamento social. Os convidados terão espaço para apresentarem seus trabalhos autorais, sejam os que estão começando sua trajetória nos palcos e até mesmo os já consagrados.

Podcast Recitais
O podcast de música do Centro Cultural UFMG.
Uma vez por mês no Spotify

Siga o Centro Cultural UFMG:
Facebook: https://www.facebook.com/centroculturalufmg
Instagram: https://www.instagram.com/centroculturalufmg
YouTube: https://www.youtube.com/c/CentroCulturalUFMG
Twitter: https://twitter.com/ccultufmg

Centro Cultural UFMG transmite encontro internacional de desenho contemporâneo na próxima semana

Nos dias 09, 10 e 11 de novembro de 2021, às 14h, o Centro Cultural UFMG transmite em seu canal do YouTube o “I Encontro Internacional de Desenho Contemporâneo: DesenhoTerra-DessinTerre”, promovido pelo Núcleo de Estudos e Ensino em Desenho Contemporâneo – NEDEC. O evento propõe reflexões acerca do exercício do desenho no contexto atual de isolamento social, convocando a atenção dos artistas e pesquisadores para a associação entre o desenho e a terra a partir de um reconhecimento das superfícies de inscrição humana – o solo, o chão, o terreno – sobre as quais caminhamos, plantamos e habitamos.

Interessados podem se inscrever gratuitamente pelo formulário virtual: https://bit.ly/3we7jsI

Artista Mário Azevedo é contemplado em projeto do Centro Cultural UFMG

Texto: Assessoria do Centro Cultural UFMG

O Centro Cultural UFMG disponibiliza a quinta edição do projeto Diálogos: Artista e Curador(a), que contempla o artista plástico/visual Mário Azevedo, com a exposição virtual Canções/Visões. A mostra tem a curadoria do poeta e jornalista Carlos Ávila. O diálogo entre o artista e o curador pode ser visto pelo canal no YouTube.

Canções/Visões – por Carlos Ávila

“A essência do trabalho de Mário Azevedo é poética – e também musical: canções remetem a visões plásticas, com tonalidade e ritmo próprios. Aquarela-pictórica (a base é uma só: o desenho).

As cores cantam: azuis, vermelhos, rosas, cinzas, brancos, pretos, verdes, amarelos, roxos, dourados…

As formas dançam: quadrados e círculos; retângulos e triângulos; linhas e letras; números; setas; cruzes; bandeiras; grades; mapas; plantas baixas; colagens e descolagens…

A produção atual de Azevedo reafirma seus eixos de criação:
– referenciais cromático-construtivos nunca abandonados (somados ao espírito instigante de Dadá/Merz);

– vivo e constante interesse por pictogramas, ideogramas, hexagramas etc.;

– letras & palavras & fragmentos de textos (em vários idiomas) + recortes de imagens de todo tipo;

– impressões e edições (litográficas e tipográficas);
– postais, cadernos, grafites, objetos…

Enfim, a matéria-memória visual que envolve o público, em tempos e espaços diversos.

O constructo sensível de Azevedo é composto por séries, variações sutis dos mesmos signos formatadores de sua poética plástica, acrescentados aqui e ali de novos e imprevistos elementos, que retornam ou não – às vezes, surgem numa composição e não reaparecem mais (signos únicos e irrepetíveis?).

Miniuniverso plástico singular, repleto de matizes, superposições e transparências. Em sua maior parte, de um trabalho ‘de câmara’, delicado e dedicado, que solicita fruição pausada e pormenorizada – composições para serem observadas em detalhe, espécie de metonímia visual (mesmo que o trabalho cresça em dimensão ou medida, continua requerendo aquela mesma fruição). O fluxo dessas “Canções” evoca uma espécie de instalação vida-obra em movimento – móbile: senti(pensa)mentos projetados/construídos no papel”.

Sobre os artistas

Mário Azevedo (Ubá, Minas Gerais, 1957). Artista plástico/visual com atuação ativa desde 1980. Graduado pela Escola de Belas Artes da UFMG, em Belo Horizonte, onde foi professor de Desenho e de Pintura entre 1994 e 2020. Mestre em Poéticas Visuais pela referida escola, doutor em Teoria, História e Crítica de Arte pelo Instituto de Artes da Universidade Federal do Rio Grande do Sul/Université of Picardy Jules Verne (Amiens/França) e pós- doutor pela Escola de Belas Artes da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Publicou seus trabalhos e textos em revistas brasileiras e estrangeiras e produziu algumas exposições curatoriais. Com mais de 35 mostras individuais e inúmeras exposições coletivas, recebeu prêmios diversos no Brasil, além de alguns no exterior. Suas obras estão em importantes acervos de museus e instituições, dentro e fora do país, bem como em várias coleções particulares.

Carlos Ávila (Belo Horizonte, Minas Gerais, 1955). Poeta e jornalista. Publicou os livros de poemas Aqui & agora (1981), Sinal de menos (1989), Bissexto sentido (1999), Área de risco (2012) e Anexo de ecos (2017); publicou ainda o volume de crítica Poesia pensada (2004) e um livro infantil: Bri Bri no canto do parque (2012). Foi editor do Suplemento Literário de Minas Gerais e participou de antologias no país e no exterior, entre elas, Nothing the sun could not explain – 20 Contemporary Brazilian Poets (Los Angeles/EUA, Sun & Moon Press, 1997; 2ª edição: 2003). Também esteve presente em diversos encontros e seminários, trabalhou em televisão (Rede Minas) e editou publicações. Colabora em jornais, revistas impressas e on-line.

Diálogos: Artista e Curador(a)

O projeto Diálogos: Artista e Curador(a) pretende disponibilizar exposições virtuais em formato de vídeos documentários mensalmente nas redes sociais do Centro Cultural UFMG. A partir de recortes curatoriais cronológicos, os vídeos trazem uma linha evolutiva no tempo e no percurso da criação do artista, oferecendo ao espectador a oportunidade de percorrer virtualmente pelas obras, por meio de simulação 3D, sendo mediado pelos comentários do artista e do curador.

O projeto vai apresentar nomes expressivos do cenário artístico e oferecer ao público conteúdos com excelência, associados a uma reflexão aprofundada no contexto da arte contemporânea nacional e internacional, permitindo que avancem em seus conhecimentos e nas maneiras de fazer e pensar a arte.

Programa de Monitoria da Graduação 2020-2021 – Edital 005/2021 – Estudo de Casos: Processing/Tópicos em Artes Digitais: Processing 2/Jogos 1

A Chefe do Órgão Acadêmico Responsável do Departamento de Fotografia e Cinema, Patrícia Gomes de Azevedo , faz saber que, no período de 27/10/2021 a 08/11/2021 , de 00:00:01 às 23:59:00 horas, a Secretaria do Departamento de Fotografia e Cinema (através do email dftc@eba.ufmg.br) receberá as inscrições de candidatos para o exame de seleção do Programa para atuar nas disciplinas/atividades com carga horária de 12 horas semanais.

Edital PMG 005/2021 – Estudo de Casos: Processing/Tópicos em Artes Digitais: Processing 2/Jogos 1

Em mês do dia das crianças o Centro Cultural UFMG realiza podcast com residentes de projeto voltado à infância

No sétimo episódio do Podcast Residência Artística tivemos um bate-papo com o ator e pesquisador Gabriel Castro Cavalcante e com o professor, escritor, dramaturgo e diretor de teatro Juarez Guimarães Dias, parceiros no projeto Mutanti – Laboratório de pesquisa e criação e residentes do Centro Cultural UFMG em 2017 para criação e desenvolvimento da Peça-jogo-festa #Criança . O trabalho tem como tema principal as relações entre gênero, identidade e brincadeiras na infância, destinados a crianças a partir de seis anos, seus pais e familiares.

Ouça o podcast na íntegra e conheça o potencial desse projeto: https://open.spotify.com/episode/34a3RhNHNwOAXVNRDxILZz?si=fAHAyh8yRPC6V4qIvVZ-fQ

Podcast Residência Artística
Uma vez por mês no Spotify do Centro Cultural UFMG

Programa de Monitoria da Graduação 2020-2021 – Edital 004/2021 – Oficina de Fotografia

A Chefe do Órgão Acadêmico Responsável do Departamento de Fotografia e Cinema, Patrícia Gomes de Azevedo , faz saber que, no período de 26/10/2021 a 03/11/2021 , de 00:00:01 às 23:59:00 horas, a Secretaria do Departamento de Fotografia e Cinema (através do email dftc@eba.ufmg.br) receberá as inscrições de candidatos para o exame de seleção do Programa para atuar nas disciplinas/atividades com carga horária de 12 horas semanais.

Edital PMG 004/2021 – Fotografia

Reunião com Pros. Sandra e Alessandro – Chapa UFMG Plural – Eleição Reitoria UFMG – Gestão 2022-2026 – 25 de outubro – 10 horas

À Comunidade da Escola de Belas Artes,

Convidamos docentes, taes, estudantes e colaboradores da Escola de Belas Artes para uma reunião virtual com os Professores Sandra Regina Goulart Almeida e Alessandro Fernandes Moreira, na qual apresentarão a sua candidatura à Reitoria da UFMG, gestão 2022-2026Chapa UFMG Plural < www.ufmg.br/ufmgplural > e ouvirão sugestões da comunidade da EBA para o seu programa.

A reunião virtual será no dia 25 de outubro de 2021, segunda-feira, com início às 10 horas.

O acesso a sala se dará por link enviado por e-mail.